Seletividade de herbicidas para mudas de espécies arbóreas

Autores

  • Camila Tonelloti Simões Universidade Federal de São Carlos, Graduada em Engenharia Agronômica, Araras, São Paulo, Brasil
  • Altemar de Rezende Granus, Piracicaba, São Paulo, Brasil
  • Andreia Cristina Silva Hirata Agência Paulista de Agronegócio, Presidente Prudente, São Paulo, Brasil
  • Patricia Andrea Monquero Universidade Federal de São Carlos, Departamento de Recursos Naturais e Proteção Ambiental, Araras, São Paulo, Brasil

DOI:

https://doi.org/10.53661/1806-9088202448263725

Palavras-chave:

Sulfentrazone, Oxyfluorfen, Fitotoxicidade, Manejo florestal, Reflorestamento

Resumo

Diante das estratégias para restauração de ecossistemas naturais degradados e considerando o conhecimento escasso sobre o comportamento de mudas de espécies florestais nativas em relação à sensibilidade a herbicidas, tornam-se necessários estudos que auxiliem neste manejo. O objetivo deste trabalho foi avaliar a seletividade inicial de dois herbicidas em três doses distintas para 80 espécies que ocorrem em florestas estacionais semideciduais, as quais são amplamente utilizadas em projetos de restauração. Foram realizados dois experimentos, sendo avaliados herbicidas oxyfluorfen (experimento I) e sulfentrazone (experimento II) nas doses comercial, metade e dobro da dose, além de testemunha sem aplicação de herbicidas. O delineamento experimental, para cada experimento, foi inteiramente casualizado, com quatro repetições. A porcentagem de fitotoxicidade seguindo escala específica da área da ciência das plantas daninhas foi avaliada aos 7, 14, 21, 28 e 35 dias após a aplicação dos tratamentos (DAT) e a massa da matéria seca da parte aérea aos 35 DAT. De acordo com os resultados, a maioria das espécies nativas avaliadas foi classificada na faixa de 0 – 10% de fitotoxicidade para ambos os herbicidas. Considerando a fitotoxicidade, o herbicida oxyfluorfen afetou negativamente as espécies Inga uruguensis, Erythroxylum argentinum, Pterogyne nitens, Miconia rigidiuscula e Simira sampaioana. O sulfentrazone interferiu de forma prejudicial as espécies Myrciaria vexator, Piptadenia gonocantha, Lonchocarpus campestres, Erythroxylum argentinum, Cariniana legalis, Randia armata, Inga vera, Solanum granulosoleprosum, Cupania vernalis, Seguieria langsdorffii, S. sampaioana, Maytenus gonoclada e Handroanthus ochraceus. Considerando a redução de biomassa seca, somente as espécies R. armata, Croton floribundus e I. uruguensis apresentaram redução de biomassa seca em relação a testemunha. Portanto, conclui-se que os herbicidas oxyfluorfen e sulfentrazone podem ser recomendados para o manejo de plantas daninhas para a maioria das espécies estudadas nesse trabalho, exceto as listadas acima.

Palavras-chave: sulfentrazone; oxyfluorfen; fitotoxicidade; manejo florestal; reflorestamento

Downloads

Publicado

2024-06-25

Como Citar

Simões, C. T., Rezende, A. de, Hirata, A. C. S., & Monquero, P. A. (2024). Seletividade de herbicidas para mudas de espécies arbóreas. Revista Árvore, 48(1). https://doi.org/10.53661/1806-9088202448263725

Edição

Seção

Artigos Cientificos - Manejo